top of page
Buscar
  • Foto do escritorJoalheria Alternativa

HISTÓRIA DAS SIMBOLOGIAS NAS JOIAS


As joias e suas simbologias


Charles Sanders Peirce foi um filósofo, matemático e linguista americano que contribuiu para diversas áreas de estudos, incluindo a semiótica (a teoria geral das representações). Ele identificou três tipos de signos:

  • Ícone - imagem que representa o objeto por semelhança - por exemplo, o desenho de uma pessoa;

  • Índice - indica ou aponta para alguma característica do objeto, sem ter semelhança com o objeto em si - por exemplo, as pegadas de uma pessoa;

  • Símbolo - é o mais abstrato e arbitrário, pois a sua associação com o objeto parte de uma convenção - por exemplo, as letras do alfabeto para representar os sons da língua.

Vamos nos atentar para esse último signo - os símbolos.


Desde a pré-história (definida como o período antes da forma de comunicação escrita), quando o homem começou a se comunicar verbalmente, ele sentiu a necessidade de se expressar por escrito. No início da humanidade, os desenhos encontrados em sítios arqueológicos tinham mais as características de ícones e índices e já havia o aparecimento de enfeites feitos de pedras, ossos ou outros elementos da natureza.


Posteriormente, no período da história, quando a humanidade tinha a capacidade de simbolizar, ela foi se desenvolvendo e criando símbolos para diversas ocasiões, como: para rituais religiosos, para proteção (amuleto) ou representar um prestígio social.


Assim, vemos as joias sendo utilizadas pelos seres humanos desde os primórdios da existência humana, partindo das confecções rústicas, sofrendo evoluções, sendo valorizadas e, cada vez, mais aprimoradas, tanto na maneira de confeccioná-las quanto nos materiais. No entanto, a sua natureza simbólica foi pouco modificada.


Ainda hoje, as joias carregam significados e estampam símbolos.


Uma monografia de especialização em moda, apresentada na Universidade de Juiz de Fora-MG, por Poliana Conceição de Oliveira (leia na íntegra aqui), fez uma análise da joalheria produzida pelo artista francês René Jules Lalique, cuja criação era repleta de conteúdos simbólicos.


“O homem, desde a sua origem, produz arte ligada à ornamentação, como representação de si e da expressão estética do mundo material. A partir do momento em que sentiu a urgência de expressar sua individualidade, caracterizada pela consciência do próprio existir, esse homem se viu na necessidade de retratar, para si mesmo e para outrem, as diversas manifestações de seu cotidiano. Então, as joias registram, através de sua evolução histórica, as sutilezas expressivas de nossa civilização. A religião, inevitavelmente, estava presente na feitura dessas peças, assim como a representação dos hábitos e do dia a dia desses povos, fato que ensejou uma melhor compreensão do modus vivendo dessas sociedades.”.


Nessa monografia, a joia foi definida como um objeto usado junto ao corpo que complementa ou ressalta esteticamente a aparência de que usa, demonstrando o valor intrínseco da joias, ligando-as aos elementos preciosos e reforçando a ideia de beleza que elas contêm e de quem as utiliza.


Assim, entendemos que as joias e os símbolos estão presentes desde o início da humanidade no planeta Terra.

Há uma grande quantidade de símbolos utilizados para serem representados nas joias, vamos dar apenas alguns exemplos com os seus significados e benefícios.


1. Olho de Hórus

Hórus é um dos deuses do equilíbrio e das forças do universo. O olho de Hórus é um símbolo do antigo Egito e significa poder, força, saúde e proteção. Um dos amuletos egípcios mais importantes e seus benefícios são:

  • Protege os olhos;

  • Afasta a inveja e o mau-olhado;

  • Promove a saúde e a prosperidade.


2. Cruz de Ansata


É um dos símbolos mais populares do Egito Antigo e significa a Cruz da Vida ou a Chave da Vida, muito usada pelos Faraós. Representa a vida eterna e a fecundidade.

Seus benefícios são:

  • Atrai a prosperidade;

  • Protege de vibrações negativas;

  • Facilita a evolução espiritual e a sabedoria.


3. Ísis


É uma das deusas mais conhecidas do Egito, esposa de Osíris e mãe de Hórus. Ela é a deusa da fertilidade e da maternidade. Seus benefícios:

  • Promove a prosperidade para relacionamentos afetivos;

  • Protetora do lar e da fraternidade;

  • Emana energia de poder.


4. Escaravelho


É um tipo de besouro e é visto como um símbolo sagrado relacionado com a espiritualidade, renovação e imortalidade. Os seus benefícios são:

  • Permite transformar o conhecimento em sabedoria da alma;

  • Promove a superação;

  • Encaminha para o alinhamento espiritual.


5. Yin Yang


É um princípio gerador de todas as coisas do universo na filosofia chinesa, a partir da união de duas energias opostas e complementares entre si, o positivo e o negativo. Representado por um círculo dividido por uma linha sinuosa em duas partes: uma preta (Yin) e uma branca (Yang). Eles são a lua e o sol; o masculino e o feminino; o espírito e a matéria. Dessa forma, juntos eles compõem a totalidade equilibrada do mundo manifestado em duas polaridades. Benefícios:

  • Promove o equilíbrio energético;

  • Potencializa os centros vitais de energia.


6. Mão de Hamsá


É também conhecida como mão de Fátima pelo islamismo e mão de Míriam para o judaísmo. Esse símbolo funciona como um escudo ou amuleto da sorte. Seus benefícios são:

  • Afastar as energias negativas;

  • Trazer sorte e fortuna;

  • Promover a felicidade.


Todas as sociedades humanas, desde as mais antigas até as mais modernas, possuem símbolos que representam mitos, crenças, status social, poder, fatos do cotidiano ou são feitos para adornar. No entanto, mesmo as joias que são confeccionadas e utilizadas com o objetivo estético, elas carregam significados, memórias, histórias, poderes e benefícios. Escolhidas para compor momentos especiais e eternizá-los, as joias encantam, fazem parte da humanidade e sempre estarão presentes.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page